sábado, 18 de abril de 2015

JOURNAL //Tudo sobre: SALÕES FRANCK PROVOST


Existe muito frenesim e muita loucura à volta deste género de nomes. É porque ele é o melhor, é porque é uma marca muito famosa, produtos profissionais, etc...

Tive oportunidade de visitar um dos seus salões. Não fui atendida pelo dito, na verdade foi o meu namorado quem cortou o cabelo!

Eu apenas fui analisar, enquanto pensava se valeria a pena colocar o meu couro cabeludo nas mãos daquelas meninas. 

Talvez a minha opinião vos vá surpreender: não gostei
Não digo que não seja um sítio bem luxuoso, sentimo-nos sentados num trono. Mas bom, eu, habituada aos nossos pequeninos salões, bem pessoais, bem acolhedores fiquei desapontada. 
São na verdade boas profissionais que lá trabalham, não há dúvida. Fazem parecer que cortar cabelo é canja! Mas, talvez por ser, de facto uma marca tão conhecida, por acharem que já não precisam de cativar os clientes ou de lhes dar atenção, desleixam-se um pouco. 

1. Não achei o atendimento nada bom. 
É uma das coisas que me faz mais gostar de frequentar um estabelecimento.

2. A música está demasiado alta.
Não gosto de ir ao cabeleireiro e sentir que estou na discoteca. Gosto de poder falar com as pessoas.

3. Cortes rápidos e pouco pormenorizados.
Estive lá dentro uma meia hora, talvez não tanto. Nesse tempo, cada uma das cabeleireiras despachou 2 clientes. Vi pelo trabalho que fizeram no meu namorado que deixam muitos cabelinhos por cortar. Talvez nas mulheres não se note tanto, mas nos homens, como o cabelo é mais curto, acentuam-se os erros.

4. Bem caro para todo o serviço efectuado.
Em França, em geral um cabeleireiro já é bem caro. Paga-se por volta de 20€ por um corte masculino. Na Franck Provost pagámos 24€. A diferença não é muita, mas também não acho que a valha.

E aqui está a minha opinião! Resumindo, não vou lá colocar os meus cabelinhos! Tenho que arranjar outra opção.

E vocês, já tiveram alguma experiência num salão desta marca? Como correu?

Assinatura

Sem comentários:

Publicar um comentário