sábado, 25 de abril de 2015

HAIR // 11 Penteados Fáceis para PRIMAVERA/VERÃO



Tenho sempre dificuldade em pentear-me de manhã. Quer porque estou com pressa, quer porque nunca me lembro de um penteado bonito, que me fique bem e que seja rápido de fazer. 

Andava a pesquisar alguns penteados para me facilitar a vida durante a semana e pensei que poderá também ser útil para vocês! Aqui estão algumas sugestões de penteados ideias para esta altura do ano e bem fáceis de fazer em nós próprias :






Espero que tenha sido útil! Têm mais alguma sugestão de penteados deste género? De youtubers portuguesas ?

Assinatura

sexta-feira, 24 de abril de 2015

NAILS // Porquê fazer unhas de gel?



Como já vos falei aqui, a minha infância e adolescência foi marcada por um vício bem comum : roer as unhas. À medida que a idade foi passando, comecei a querer ver as minhas unhas mais arranjadas e tentado, por várias vezes deixar este vício, o que não foi nada fácil!

No verão de 2014 comecei a fazer unhas de gel. Tinha as unhas muito curtas porque as roía e tinha um batizado, por isso queria ter as mãos bonitas. Adorei o efeito e duraram cerca de 1 mês. Depois disso fiz manutenção e continuei a usar unhas de gel.

Existem dois tipos de unhas "falsas" que se podem fazer: as que se colam sobre a unha natural (aquelas que se compram em qualquer loja de estética ou dos chineses, entre outros pontos de venda) e as unhas de gel; já usei ambos os métodos.



As unhas de colagem são um pouco difíceis para mim. Tenho dificuldade em encontrar tamanhos adequados às minhas unhas, que são "largas" e o único método de remoção é arrancá-las, o que pode até ser doloroso mas por outro lado, se a cola não for forte o suficiente, podem saltar facilmente.

As unhas de gel, para mim, foram a melhor escolha. Impedem-me de roer as unhas, não preciso de me preocupar com a manicure porque tenho sempre as mãos e unhas impecáveis e não são caras. Digo isto porque as faço em casa, a mim mesma. 

Antes de vir para França, costumava ir a um salão em Aveiro, desde já bem em conta. Adorava o trabalho da Manuela ( e continuo a adorar! ). Os preços são bem acessíveis e é um trabalho de qualidade, por isso quem é da zona deve aproveitar! Como vim para cá e esse tipo de tratamentos são bastante caros ( à volta dos 50 ou 60€ ) sabia que tinha que me virar para outro lado. Mas mal tirei as unhas de gel, voltei a roer as unhas.

Comprei a máquininha de UV, todos os acessórios necessários e (como sempre!) pus-me a ver vídeos no Youtube para saber como a coisa funciona. A primeira vez foi um desastre, mas "a prática leva à perfeição" e acabei por me conseguir desenrascar!


antes de uma manutenção: as unhas estão sem brilho mas ainda assim bonitas - faço manutenção apenas com o gel de cor (pêssego pastel) uma vez por semana, porque durante a semana de trabalho as unhas ficam baças


depois da manutenção: com brilho e bem mais bonitas !

Para mim, esta técnica resulta muito bem, já para não falar que economizo bastante sem me desleixar!

Razões pelas quais não dispenso o gel:

1. Mantém-se por muito tempo

2. É bonito 

3. É resistente

E vocês, já usaram gel? Gostaram e voltaram a repetir? Contem-me tudo!


Assinatura

quarta-feira, 22 de abril de 2015

BODY // Aprende a amar o teu corpo

É, normalmente, durante a adolescência que tomamos consciência do nosso corpo e dos complexos que daí advêm. Com a idade, ao invés de nos vermos livres desses fantasmas, acontece o inverso. Seja pelas palavras desagradáveis que já ouvimos ou por algumas piadas entre amigos, começamos a ver problemas onde estes, na realidade, não existem. Sejam magras ou gordas, a tendência das mulheres de rejeitar o seu corpo acentua-se principalmente na altura das crises pessoais.


Claro que a comunicação social agrava ainda mais a situação, com as propagandas de corpos esculturais e "perfeitos", produtos miraculosos que nos farão parecer a Megan Fox em apenas uma semana, etc.
Acabamos mesmo por ficar obcecados pelos "defeitos" que vemos no nosso corpo. Achamos que toda a gente repara, que falam disso nas nossas costas e riem de nós quando na maioria das vezes apenas nós achamos que temos algo de errado. 
Não gostar do nosso corpo é prova de falta de auto-estima, de que algo na nossa cabeça não está bem. Mesmo as modelos mais admiradas do mundo acham que têm imperfeições! Relativizemos. Admitir que todos somos diferentes e bonitos à nossa maneira é o primeiro passo para nos sentirmos melhores na nossa pele.
1. Pára de procurar. 
Quem procura, encontra. Se passarmos horas em frente ao espelho ( principalmente dos espelhos de aumento ) vamos acabar por encontrar algum pormenor de que não gostamos.

2. Rodeia-te de pessoas positivas, que te façam sentir bem e não te julguem. Conversa com elas também sobre o assunto da auto-confiança.


3. Aceita-te e diz para ti mesmo que SIM, TU ÉS BONITO/A. Se o disseres de forma convincente, vais acabar por acreditar !

4. Mima-te : um cuidado, uma ida à sauna, um creme, uma massagem! As opções são infinitas.

5. Muda ou adapta o teu guarda-roupa. 
Seguir a moda é bom, desde que te assente bem e te sintas bem dentro das tuas roupas.

6. Ouve o teu corpo!
Dormir o suficiente, comer de forma equilibrada e estar hidratado, sem esquecer de vez em quando um docinho! Evita a privação ou a frustração.

7. Pratica desporto. Se gostas de dançar, correr, salta, jogar ping-pong, fá-lo. Não como obrigação mas como prazer. Nada melhor para reconciliar o corpo e a alma.

Ainda tens dúvidas? Os complexos estão na nossa cabeça. Cabe-nos a nós eliminá-los.

Assinatura

segunda-feira, 20 de abril de 2015

FASHION // Green Mile


Blusa: Lefties - Leggings: Comércio local - Sabrinas: Comércio local

Este fim-de-semana foi bem tranquilo, descansei muito, relaxei muito! No Domingo fui dar um passei pelos jardins de Tulipas da cidade, comprei algumas coisinhas que precisávamos cá para casa e aproveitei para fotografar um look para vocês! 

Verde é a minha cor preferida e adoro ver-me vestida com ela! É relaxante e transmite positivismo.


Anel: feito por mim com cristais swarovski 


Colar: Lefties


Óculos: Oriflame


Mala : H&M



Assinatura

sábado, 18 de abril de 2015

JOURNAL //Tudo sobre: SALÕES FRANCK PROVOST


Existe muito frenesim e muita loucura à volta deste género de nomes. É porque ele é o melhor, é porque é uma marca muito famosa, produtos profissionais, etc...

Tive oportunidade de visitar um dos seus salões. Não fui atendida pelo dito, na verdade foi o meu namorado quem cortou o cabelo!

Eu apenas fui analisar, enquanto pensava se valeria a pena colocar o meu couro cabeludo nas mãos daquelas meninas. 

Talvez a minha opinião vos vá surpreender: não gostei
Não digo que não seja um sítio bem luxuoso, sentimo-nos sentados num trono. Mas bom, eu, habituada aos nossos pequeninos salões, bem pessoais, bem acolhedores fiquei desapontada. 
São na verdade boas profissionais que lá trabalham, não há dúvida. Fazem parecer que cortar cabelo é canja! Mas, talvez por ser, de facto uma marca tão conhecida, por acharem que já não precisam de cativar os clientes ou de lhes dar atenção, desleixam-se um pouco. 

1. Não achei o atendimento nada bom. 
É uma das coisas que me faz mais gostar de frequentar um estabelecimento.

2. A música está demasiado alta.
Não gosto de ir ao cabeleireiro e sentir que estou na discoteca. Gosto de poder falar com as pessoas.

3. Cortes rápidos e pouco pormenorizados.
Estive lá dentro uma meia hora, talvez não tanto. Nesse tempo, cada uma das cabeleireiras despachou 2 clientes. Vi pelo trabalho que fizeram no meu namorado que deixam muitos cabelinhos por cortar. Talvez nas mulheres não se note tanto, mas nos homens, como o cabelo é mais curto, acentuam-se os erros.

4. Bem caro para todo o serviço efectuado.
Em França, em geral um cabeleireiro já é bem caro. Paga-se por volta de 20€ por um corte masculino. Na Franck Provost pagámos 24€. A diferença não é muita, mas também não acho que a valha.

E aqui está a minha opinião! Resumindo, não vou lá colocar os meus cabelinhos! Tenho que arranjar outra opção.

E vocês, já tiveram alguma experiência num salão desta marca? Como correu?

Assinatura